4 truques para aprender mais para o Enem estudando pouco

Como-aprender-muito-estudando-pouco-truques

Carregando...

Você está se perguntando como estudar para o Enem e vestibulares de forma rápida e eficiente? Veja 4 truques dados por um especialista em aprendizado para gastar seu tempo de estudo estudando pouco e aprendendo muito.

O Dr. Marty Lobdell nos dá algumas pistas sobre os mecanismos de memorização para estudar melhor e de forma mais inteligente.

Leia também: Que traços diferenciam os gênios das pessoas comuns?

Embora saibamos que estudar para uma prova requer um certo tempo de preparação para conseguirmos memorizar os textos, é bastante comum que deixemos tudo para a última hora fazendo maratonas de sessões de estudo e noites sem dormir. E a menos que você tenha memória fotográfica especialistas como o Dr. Marty Lobdell defendem que se deve evitar a todo o custo estas práticas danosas e seguir algumas orientações sobre como estudar melhor base baseando-se na biologia da memória humana.

Este professor de psicologia do Pierce College defende em sua tese “Study Less, Study Smart” que o processo de retenção de dados em nossa memória não depende do número de horas de estudo, mas das técnica de memorização utilizadas e o tempo de recuperação entre sessões, principalmente. Isto é, como ele explica nesta conferência feita há alguns anos, não é uma questão de quantidade, mas de estratégia e deverão ser cumpridas determinadas diretrizes para maximizar o nosso desempenho de uma forma inteligente.

1. O ambiente de estudo

Nesta conferência, Lobdell aponta que um aspecto importante do processo de desconcentração e memorização está diretamente relacionado ao contexto do estudo. Você já deve ter visto que devemos estudar no mesmo lugar e livres de distrações. Bem, de acordo com especialistas, para predispor e incentivar o processo de concentração é essencial ter um espaço dedicado exclusivamente ao estudo, para evitar a todo o custo práticas muito comuns, como estudar deitado na cama ou sentado diante da TV. Parece que o contexto influencia fortemente o processo de concentração e, portanto, recomenda-se que o espaço não esteja associada a qualquer outra atividade diária.

2. Sessões mais curtas

Segundo ele, a nossa capacidade de reter informações se intensifica durante os primeiros 20 minutos de estudo, mas após 30 minutos é quando a nossa capacidade de retenção de dados diminui progressivamente da mesma forma que o nosso desempenho. É, portanto, adequado fragmentar as sessões de estudo habituais de duas ou três horas em fases muito mais curtas, com cerca de 25 a 30 minutos, espaçadas com intervalo intermediários de cerca de 10 minutos.

3. Reconhecimento e memória

Dr. Lobdell também enfatiza a diferença entre reconhecimento e recordação para saber se estamos estudando corretamente. O reconhecimento de dados requer um estímulo para desencadear uma memória especial entrincheirada em nossas memórias, e como você pode imaginar, trata-se de um mecanismo fraco e pouco confiável quando confronta-se com uma prova que tem tempo predefinido. Portanto confiar que qualquer informação ou uma pergunta da prova ativará nossa memória é um erro comum para se evitar.

Pelo contrário, é aconselhável trabalhar ativamente com as lembranças fazendo autoavaliações periódicas com o objetivo de revitalizar e prende-la em nossa memória de longo prazo. Isso se conhece como o método SQ3R, uma técnica que estimula a recordação complementando a simples leitura do texto com uma autoavaliação periódica com base na leitura do texto, a codificação do que se deseja lembrar pela compreensão e repetição de conceitos e finalmente, a recuperação das informações armazenadas na memória por exercícios diários que estimulam a memória a longo prazo.

4. Conceitos e fatos

Finalmente, você não deve memorizar textos integrais (textos inteiros). É preferível extrair as principais ideias para se ter uma compreensão geral do texto para lembrar e, em seguida, estender os conceitos com suas próprias palavras no momento da avaliação. Assim, melhoramos a produtividade de nossas sessões de estudo, otimizamos a nossa capacidade de memória com dados relevantes e temos um controle de texto mais amplo. É importante fazer também a distinção de conceitos fundamentais de uma categoria texto dos fatos, uma vez que estes últimos exigem outros recursos e técnicas de memorização igualmente eficientes conhecidas como mnemotécnicas.

O professor Marty Lobdell diz que com estas dicas básicas sobre como estudar melhor, estará investindo menos tempo no processo, mas por sua vez, irá otimizar ao máximo a sua memória.

Carregando...

Recomendados para você:

Comentar