Fotos perturbadoras de Hiroshima após a bomba atômica

Carregando...

Estas perturbadoras fotos mostram os terríveis efeitos sobre a cidade e as pessoas da bomba atômica lançada sobre Hiroshima pelos EUA em 1945.

Nunca haverá um inferno semelhante a aquele que acordou os habitantes de Hiroshima às 8:15 da manhã de 6 de agosto de 1945.

Uma onda expansiva do calor insuportável preencheu todos os cantos da cidade, fazendo em pedaços as casas, os objetos, a pele e a alma de crianças, mulheres, homens idosos que viram o horror tomar uma forma nunca antes vista na história da humanidade.

Aquele monstruoso e mortal cogumelo de fogo atingiu 20 quilômetros de altura, abastecido por Urânio-235 e acabou com a vida de um número de pessoas até agora desconhecido foi o produto da bomba atômica lançada pelo Força Aérea dos Estados Unidos, durante a Segunda Guerra Mundial, provocando a rendição incondicional do Japão. Não foi só Hiroshima que sofreu os horrores deste artefato: Nagasaki também pereceu ao mesmo destino apenas três dias depois.

As repercussões foram imediatas: aqueles que estavam perto o suficiente do epicentro da explosão desapareceram completamente ou foram carbonizadas por causa das terríveis temperaturas a que foram expostos: cerca de 4000 graus Celsius. Aqueles que tiveram melhor sorte sofreram queimaduras terríveis que distorceram sua pele, seus rostos, seus corpos e suas vidas.

Hiroshima tornou-se em uma fração de segundo em um oceano de fogo. Tudo foi destruído pelas chamas. As pessoas rastejavam pelo chão à procura de uma saída. Alguns se jogaram nas águas e canais espalhados pela cidade à procura de alívio na água fria. Embora isso não os livrasse de contemplar o horror: dezenas de cadáveres flutuavam.

As casas eram já não eram abrigos, mais sim túmulos onde foram sepultadas famílias inteiras. Nas ruas, alguns em silêncio e outros gritavam por uma explicação para o que aconteceu. Testemunhas dizem que algumas pessoas andavam pelas ruas de Hiroshima com os braços estendidos, mostrando sua pele desprendida e queimada. Eles faziam isso porque sentiam algum alívio por causa do ardor que experimentaram em seus corpos. Ao mesmo tempo se assemelhavam a cadáveres vivos. O mundo foi testemunha de como a humanidade é capaz de cometer crimes em massa sem deter-se por um só momento.

Semanas após a queda da bomba, milhares de sobreviventes começaram a sofrer perda de cabelo, úlceras de pele e vômitos. Estes sintomas não eram mais que envenenamento por radiação, que na época era chamado de “Doença X”. Seus corpos estavam sofrendo as consequências da bomba chamada “Little Boy”, uma assassina de inocentes de quatro toneladas em cujo nome se esconde o artefato mais mortal já criado pelo homem.

Até 1952, o governo dos EUA manteve em segredo todos os documentos sobre o que aconteceu. Temiam que a opinião pública internacional fosse contra o que foi feito e começaram uma campanha para mostrar os horrores de que foi responsável.

Comentar